top of page
  • Foto do escritorlucas protti

Alguns problemas não podem ser encarados de frente





Ele se queixava do trabalho, que o sufocava como uma camisa de força. Não via mais nenhum sentido naquilo. Sua busca por um novo emprego era frustrante.


Mas, em determinado momento, quase entrando em uma certa "depressão", ele decidiu procurar ajuda de um psicanalista que o ajudou a perceber uma lógica uma lógica estranha em sua maneira de ser: “Se eu não estiver feliz profissionalmente, todas as outras coisas serão ruins”.


É que toda vez que ele estava se divertindo, sentia um peso no peito, como se estivesse fazendo algo errado. Afinal, em sua família, o trabalho sempre foi a coisa mais importante. Como então ele poderia sentir prazer se o trabalho não estava indo bem?


Enquanto ficava com essas descobertas reverberando dentro de si, com a ajuda do psicanalista, começou a se permitir coisas que nunca havia feito. Pequenas viagens. Shows das bandas que gostava. Começou a valorizar o tempo que passava com as pessoas que gostava.


Antes, era como se ele tivesse um cabresto que o puxava para trás, impedindo-o de aproveitar a vida. O trabalho foi deixando de ser a sua única fonte de sentido e satisfação. O mal-estar estava lá, mas não mais o tomava.


Agora, deitava no divã e falava com entusiasmo dos pequenos prazeres que vinha tendo, da vida que parecia mais colorida. Até que, depois de muitas tentativas infrutíferas, apareceu uma nova oportunidade de trabalho que ele achou mais gratificante.


Claro que depois vieram novos problemas que, em suas palavras, “pelo menos eram novos”, “mais interessantes”.


Às vezes, os problemas não podem ser encarados ou resolvidos de frente. É preciso acessá-los pelas beiradas, pelas laterais. É como tentar remover uma pedra de um rio com as próprias mãos.


Se você tentar mover a pedra de frente, você só vai se machucar. Contudo, se você cavar ao redor da pedra, você pode encontrar um caminho para contorná-la.


E algumas delas passam até rolar sozinhas, seguindo o próprio fluxo da correnteza.


Lucas C. Protti Psicólogo Psicanalista CRP 16/4446

3 visualizações0 comentário

Komentáře


bottom of page